FOTO: CEU – Divulgação

Os CEUs –  Centros Educacionais Unificados – da Zona Leste e de toda São Paulo precisam de melhorias já! Eles foram criados com o objetivo de desenvolver atividades lúdicas e esportivas para crianças, jovens e demais membros da comunidade, porém diversos deles estão parados, em condições precárias ou entregues ao abandono.

O primeiro CEU inaugurado foi o Jambeiro, em Guaianazes, na nossa Zona Leste. De lá para cá, muitos outros surgiram, em uma bela iniciativa. A questão é que alguns deles estão bastante maltratados e esquecidos pelo poder público. Problemas de entulho no estacionamento, material de construção na área da piscina e lixeiras quebradas são algumas das queixas de moradores atendidos pelos centros. Outras unidades enfrentam problemas de instalações incompletas e sem previsão de entrega. O pior, ninguém da prefeitura se manifesta sobre o assunto.

Por isso, precisamos mudar este quadro e lutar por melhorias para todos os CEUs de São Paulo. O CEU Jambeiro tirou do papel uma proposta de transformação da educação e tornou realidade a criação de polos de desenvolvimento comunitário nas bordas de São Paulo, uma das metrópoles com maior desigualdade social do país.

O site oficial da Prefeitura do Município de São Paulo lista três objetivos fundamentais para os CEU’s:
• Desenvolvimento integral das crianças e dos jovens;
• Polo de desenvolvimento da comunidade;
• Polo de inovação de experiências educacionais.

Leia também  Márcio França investe nos professores e na rede de ensino paulista.

E eles não são apenas utilizados pelas escolas dos locais onde estão inseridos, para ampliar espaços e oportunidades de aprendizagem para crianças e adolescentes, os CEUs estão abertos diariamente para a população, principalmente para quem mora na região.

Por isso, faz-se mais que necessário dar um novo e próspero rumo à realidade de todas as unidades do CEU. Não é um prejuízo apenas ao presente e futuro da população local, mas também aos cofres públicos – de acordo com o Portal Aprendiz, cada unidade possui 30 mil m² e custam cerca de R$50 milhões aos cofres públicos para serem implementadas.