Até a recente ‘polêmica’ envolvendo a campanha da agência África para a Vogue, com os atores Cleo Pires e Paulo Vilhena, pouco estava se falando sobre Paralimpíadas – mas, independentemente da minha e da sua opinião sobre a ação, por que ninguém fala das Paralimpíadas e desses atletas? Por que tratam essa continuação de um megaevento esportivo como mero detalhe?

Estamos falando da maior superação dos limites que o ser humano pode e consegue ter. E você acha que qualquer um consegue? Claro que não! E por que, então, ninguém fala sobre o assunto – sobretudo as autoridades políticas, celebridades e influenciadores que possam fazer a diferença e massificar o tema?

O Comitê Paralímpico Brasileiro e, na prática, todos os atletas paralímpicos brasileiros passam pelos mesmos e/ou muito mais intensos treinamentos, com treinos e superações a cada dia, a cada mês, a cada conquista como atletas e – mais ainda – como pessoas inclusas no cenário esportivo mundial.

Por isso, precisamos falar, valorizar, contribuir, incentivar, disseminar esse torneio tão importante quanto o que acaba de terminar em agosto. As Paralimpíadas Rio 2016 acontecem de 7 a 18 de setembro e pouco serão noticiadas, a audiência vai ficar por conta de cada um de nós ao procurar os esportes, entender as modalidades, prestigiar as habilidades e – mais do que isso – verificar que essas diferenças ou deficiências não são e não devem ser vista como exclusão.

Já disse diversas vezes e volto a enfatizar que precisamos por um fim nas segregações e exclusões, que só uma Educação contempladora irá – de fato – incluir e unir todos o seres humanos, brasileiros, paulistas e paulistanos e sinto muito orgulho de pessoas como eu, como você, que também enaltecem esses atletas que superam a própria superação dos seus limites.

Que o torneio paralímpico seja uma grande forma de estreitarmos ainda mais qualquer possibilidade de preconceito e que o esporte, mais uma vez, faça a diferença na vida de cada participante e de cada espectador.

Felizmente, meu desejo de esperança foi colocado em prática durante as Olimpíadas. Que a inclusão seja, agora, mais um motivo de orgulho pelo que já fizemos até agora.

Só depende de nós mudarmos os valores, antes de tudo, como cidadãos. Que cada atleta receba todo o meu voto para que as Paralimpíadas renovem muitos corações.

Boa sorte, atletas brasileiros desta nova fase esportiva!

Zapata