Não faz nem um mês que escrevi em solidariedade às vítimas e famílias do atentado homofóbico em Orlando e mais uma grande má notícia de âmbito global acaba de nos ser transmitida: desta vez um ataque terrorista com dezenas de mortos e feridos no aeroporto internacional Atatürk, em Istambul. No mesmo formato, atacantes que atiraram e, em seguida, se explodiram – independente de confirmações oficiais de autorias.

O terrorismo há muito tempo deixou de ser um fenômeno restrito a algumas áreas conhecidas no mundo, nas lutas pelos separatistas e revolucionários, diante da exacerbação do fundamentalismo religioso… Você vai continuar achando isso normal?

De novo, estou chocado. Continuarei chocado. Não dá para acostumarmo-nos com esse tipo de manchete, nem com a primeira, nem com a segunda. De nenhum tipo, em nenhum lugar do mundo. Não dá! As palavras não são exatamente fundamentalismos religiosos ou terrorismos, em si, estamos falando de duas palavras centrais: MORTES x VIDAS. Estamos falando do extermínio de vidas, inocentes, novos, velhos, não importa. Ninguém tem e nunca vai ter esse direito.

De forma repudiante, quero novamente expressar minha total solidariedade, minha sincera dor com todas as famílias envolvidas em mais uma tragédia, mas quero colocar em voga a necessidade de – de fato – enfrentarmos na prática e encararmos o fundamentalismo religioso e o terrorismo internacional, associado também à religião ou não, que movem os piores tipos de violência e barbáries da atualidade. Até quando teremos notícias que apontam a esses desfechos?

Enquanto algumas pessoas tentam achar culpados, eu ‘simplesmente’ me pergunto e te pergunto: já se perguntou para quais caminhos esse ódio pode nos levar? Quantas coisas ainda mais horríveis poderemos ver, saber e pior, vivenciar e até sentir na nossa própria pele? E se fosse com seu familiar? E se você estivesse naquela casa noturna? E se você estivesse naquele aeroporto?

Para onde tamanho terrorismo irá nos levar? Um cristão não pode ser homossexual, não existem homossexuais cristãos? Os terroristas estão atacando por si próprios, estão vingando, quem? Não basta tentarmos justificar esses acontecimentos horríveis com o fato de culparmos, por exemplo, um conjunto de praticantes da fé muçulmana no segundo e mais recente ocorrido.

Faço das palavras de Jean Wyllys, as minhas: “Da mesma forma que os cristãos evangélicos não são responsáveis pelos discursos de ódio e a homofobia dos pastores fundamentalistas, há milhares de muçulmanos que não comungam com os atos de terror e ódio dos grupos terroristas que usam o Islã para justificar suas atrocidades. Seria muito saudável, porém, que os cristãos e muçulmanos de boa fé, assim como os que praticam outras religiões (e fundamentalmente seus líderes religiosos) se posicionassem claramente e falassem em público e com todas as letras que não autorizam que o ódio e o terror sejam praticados em nome deles”.

Enfatizo que não podemos esquecer esses fatos, tão pouco os dos noticiários nacionais é claro, para lutar por eles, por meditas que nos desassociem deles, para não caírem no esquecimento. Nenhum desses dois fatos aconteceu por acaso e a crueldade tem que ter um filme.

Faço parte do time que abomina fundamentalismo religioso e terrorismo em qualquer lugar do mundo. Minha luta sempre vai ser em prol da vida!

Não deixe nenhum tipo de fanatismo te dominar. Faça o bem sem olhar a quem!

Espalhe o bem, defenda a paz.

Emiliano Zapata