Estava escrevendo um novo artigo sobre “A força da mulher na política” e como seria ‘agora’ sem as mulheres efetivamente na política, primeiro sem a Dilma (temporariamente) na presidência e depois sem muitas delas no Governo do Temer, que afirmou “não ser possível” com motivos injustificáveis que também se estendem a ausência de negros.

Nos mesmos dias que eu parei para escrever este artigo, infelizmente, se alastrou a notícia referente à barbárie de estupro coletivo no Rio de Janeiro – quando uma menina de 16 anos foi violentada sexualmente por com 33 homens armados com fuzis e pistolas, enquanto ela estava dopada e nua. Eu havia acabado de postar um artigo sobre “Violência doméstica” e, não, eu não queria estar falando disso de novo, eu não queria realmente que nada parecido e ainda muito pior tivesse acontecido.

E, então, eu me pergunto? Você viu o pronunciamento do atual presidente Michel Temer sobre esse assunto? O assunto tomou proporção mundial, alterando inclusive o avatar do Facebook em forma de protesto e indignação e o interino propôs, e anunciou em 27 de maio, uma reunião com os secretários de segurança pública de todo o país para terça (dia 31) – reforçando que será criado um departamento na Polícia Federal tal como fez com a delegacia da mulher na Secretaria de Segurança Pública de São Paulo. Veja neste link e vamos continuar acompanhando!

Mais uma vez, não fui surpreendido positivamente por algumas figuras femininas do nosso país – que eu tanto admiro, respeito, concordo e apoio.

 

Jandira Feghali

Jandira Feghali


Jandira Feghali
, médica e deputada federal (RJ), por exemplo, alterou sua foto do perfil no Facebook para uma imagem com a frase “PRECISAMOS FALAR SOBRE A CULTURA DO ESTUPRO” e postou diversas vezes relacionando o assunto, com ações como um grande ato no Rio de Janeiro apoiando a força das mulheres nesse sentido.
grafico_estrupoEla ainda divulgou essa ilustração perfeita, que também defendo: “Tem gente que ainda procura argumentos em cima da vítima para achar motivos. NÃO! A culpa é sempre do criminoso”. E um vídeo que recomendo totalmente ser assistido agora – Jandira, sou homem, mas – sim – você me representa. Mexeu com uma, mexeu com todas!!!!

Assim como defende Jandira, a mulher tem – sim – uma imagem destorcida na educação, na comunicação, na convivência, na sociedade; isso não só no Brasil, mas em todo o mundo.

 

 

Manuela-DÁvilaaaa

Manuela D’Ávila

Manuela D’Ávila, jornalista e deputada federal (RS), é mais um grande exemplo de representação da mulher na política. Ela também alterou sua foto no Facebook, afirmando entrar na luta pelo fim da cultura do estupro e – entre outras ações – divulgou o que exatamente significa essa cultura do estupro em uma imagem muito explicativa e significativa para todos os sexos e interpretação em qualquer idade. Veja abaixo:

Maria do Rosário Nunes,

Maria do Rosário Nunes

E o que falar de Maria do Rosário Nunes, deputada federal do PT, sempre engajada em suas ações em defesa das mulheres e dessa vez não foi diferente. Lembra que o Bolsonaro foi condenado a indeniza-la justamente por ofensa sobre estupro? Em um dos posts recentes, ela escreveu: “No momento em que uma jovem é estuprada por mais de 30 homens, o movimento feminista e as mulheres brasileiras unem-se para exigir o fim da impunidade e da cultura do estupro. Esta cultura é aquela que objetifica a mulher, impedido debate sobre gênero. Por sua via a vítima é desvalorizada, culpada pela violência que sofre. Basta de estupros. #‎EstuproNuncaMais ‪#‎EstuproNaoÉCulpaDaVitima”. Ela age em prol da SORORIDADE – vejam mais uma postagem incrível divulgada, desta vez em forma de vídeo com nomes, como Letícia Sabatella.

Gleisi Hoffmann

Gleisi Hoffmann

Gleisi Hoffmann, senadora do PT, também se pronunciou de maneira brilhante e trago um dos posts, seu vídeo firmando que “O Senado não pode fechar os olhos diante desta barbárie! #EstuproNuncaMais” e ela não se referiu ‘apenas’ ao episódio no Rio de Janeiro. Segundo ela são situações de comoção, de dor, de todos. Gleisi repudia de forma firme, sugerindo medidas de combate. Em outra postagem, ela cita que “Estupradores não são doentes psicopatas que andam pelos becos à noite atrás de mulheres. Estupradores são pais, irmãos, amigos. São homens normais, que se sentem autorizados a agir como quiserem. É isso que o machismo produz”. Ela conta que mulheres foram estupradas porque são mulheres e precisamos protestar e continuar tomando medidas duras, que precisam  continuar avançando na legislação.

Elas são ‘apenas’ alguns grandes nomes atuantes no ativismo do setor político, mas que realmente lutam, que não se calam, que engajam, que são persistentes e – mais do que isso – são mulheres!!!!

Esse avanço feminino frente à política mostra que mesmo enfrentando diversas discriminações, a mulher consegue superar todas as dificuldades associada à sua figura e ainda dribla e concilia tudo, conseguindo administrar seu tempo a favor de suas atividades, para que as questões familiares não entrem em conflito com questões profissionais e sociais.

Eu poderia hoje citar grandes mulheres na atual política nacional e estadual, nos bastidores ou na linha de frente, com atuações comprometidas e eficazes, mas – nesse momento – eu realmente só gostaria de ressaltar a importância da mulher e dessa força única que só elas têm. E na política não é diferente. Jandira, Manuela, Maria do Rosário, Gleisi vocês realmente fazem a diferença. Assim como Dilma Roussef faz. Que o país não se cale!!!!

Que vocês continuem dando a voz a tantas mulheres. Precisamos de vocês!

Emiliano Zapata