A mídia realmente tem o poder de manipular as pessoas? Consegue responder essa pergunta, não só para mim, mas para você mesmo (a)? Por que mídia, manipulação e política estão diretamente ligadas e/ou pelo menos vistas como parceiros nessa guerra desleal pela desinformação aos espectadores e leitores?

Eu já disse isso mais uma vez e aproveito para repetir e enfatizar: todos os dias uma avalanche de informações bombardeia os noticiários e se espalha por meio das mídias sociais, trazendo uma sensação para a população de que a atual crise política jamais irá se resolver, pois não existe solução, esperança, bons políticos, novas pessoas… Como assim? O que a mídia e a representatividade política atuais estão fazendo com a sua opinião? Use o seu conhecimento político ao seu favor, se não tem busque, cheque, confira, debata, mas só compartilhe verdades – ainda mais por estarmos passando por um momento econômico também instável, ou seja, é preciso filtrar e separar as coisas.

Eu, você, qualquer um cidadão, seja da cidade de São Paulo, do estado, do país, do mundo precisamos selecionar o que a mídia nos sugere – afinal, já parou para pensar que a mídia não manipula diretamente, mas é um poderoso instrumento massificador de propagação da informação, ou seja, a manipulação vem de encontro com a forma como ela consegue distribuir e, assim, impactar o maior número de pessoas ao mesmo tempo. E por que eu estou trazendo este tema?

Minha reflexão tem um começo e um meio, mas quero propor a reflexão e o debate do ‘fim’. Grandes pensadores, como Adorno e Horkheimer, os primeiros a realizarem análises mais densas sobre o assunto, acreditavam que os meios de comunicação em larga escala (mídia) moldavam e direcionavam as opiniões de seus receptores – ou seja, persuadindo e/ou manipulando, mesmo que de forma momentânea, mas transitando por grandes públicos.

Se essa conclusão é apenas teórica ou não, na verdade não é a questão. O fato é que na sociedade brasileira atual e capitalista como a que vivemos, temos – infelizmente – a priorização dos meios de comunicação é condizente com os interesses das classes dominantes, a elite. Neste caso, a manipulação midiática é, então, cada vez mais pautada e ideologizada pelas grandes elites, então que mensagens realmente importantes e pertinentes você acha que estão sendo passadas e – na verdade – deixando de serem transmitidas?

O interesse e necessidade do povo, das classes baixas e periferias não são e tão cedo não vão ser os mesmos das grandes classes, como acreditar que não teremos e continuamos com a manipulação midiática – sendo que temos apenas um grande canal sendo o centro da falsa confiança em todo o país?

Não há como negar que a mídia (ainda) ocupa um papel importante na sociedade, seja por TV, rádio, veículos impressos e agora cada vez mais online e até por meio das redes sociais, como aqui estou discorrendo neste blog. Porém, o perfil da mídia atual não comporta a necessidade de informação que realmente precisaríamos receber, cobrar, analisar e – assim então – formar opinião. Os grandes canais de comunicação não têm a mesma influência e o mesmo poder de épocas anteriores e estamos reféns de grupos familiares que ainda são pautados e, sinceramente falando, mantidos financeiramente pela elite.

Sendo assim, trago a minha indignação pelos fatos mal explorados, pela falta de informação completa e pela ausência de formas midiáticas alternativas e que sejam realmente neutras – como prega a profissão do jornalista em todo o mundo.

A mídia precisa comtemplar a pluralidade e não nos afastar das esferas políticas ou provocar uma guerra entre partidos, entre divergências. Nossa mídia não aproxima interesses, ela afasta os grupos de modo que – por fim – nenhuma demanda seja atendida. Sendo assim, quem ganha?

Nada dessa reflexão faria sentido se eu não te fizer pensar, então o desfecho deste post é um só: procure informar-se de forma ampla para sermos cidadãos de bem e possamos espalhar possibilidades, pois a mídia só condiciona se quisermos ser condicionados. Não é o que você quer, não é mesmo?

Novamente, eu acredito em mudanças e a manipulação midiática não faz parte de nenhuma transformação.

Chega de manipulação, forme sua própria opinião!

Emiliano Zapata