Políticos blindados… Estas duas palavras juntas me assustam, pois seus significados não são (mesmo) ao ‘pé da letra’. Por que determinados políticos são, continuam e talvez sempre serão blindados em relação ao que fazem ou nem fizeram ainda e já têm algum respaldo?

Por que seus comportamentos são analisados com diferenças, se comparados com outros? Estamos falando de um estado de exceção na política nacional? Por que isso existe e até quando teremos esse tipo de situação desaforadamente explícita no país?

A blindagem de políticos alvos de inquérito na Operação Lava Jato e de empreiteiros investigados no esquema de desvios, por exemplo, foi e ainda é notória na CPI da Petrobras. Quantos parlamentares de quantos partidos você se lembra prontamente do nome e das consequências, realmente efetivas, sendo aplicadas?

Em diversas decisões, a possibilidade de ‘delação premiada’ virou rotina e esses famosos políticos blindados aparentemente se acostumaram com essa blindagem, seja por demais políticos, seja pela mídia e – pior – pelas próprias autoridades, como juízes ou demais envolvidos.

São provas e mais provas sendo tratadas como nada e diversos crimes sendo acobertados por interesses individuais que não fazem relação com as necessidades do coletivo: a população, o eleitor, o cidadão.

Por variados tipos de intermédios, como propinas, esses ‘profissionais da política’, se é que posso chama-los assim têm suas falcatruas cada vez mais implícitas e impunes de punições. São milhões repassados em obstruções de investigações, enquanto alguns políticos inocentes, novatos e/ou ativistas políticos que lutam e engajam grupos a favor do coletivo não são ouvidos e não conseguem se sobressair por serem a minoria (da verdade, mas em menor parte com uma concorrência praticamente desleal).

Esse estado vergonhoso de exceção é um uma grande afronta à supremacia dos direitos e ameaçam tanto a legitimidade quanto a democracia.

Por isso, todos os dias, rezo, espero e luto para que esse estado que avançou possa ser brecado e saciado para que esses interesses pessoais percam para a democracia – a ser ouvida pela justiça!

O Brasil precisa sair desse presente e triste estado de exceção na política. Não precisamos de políticos blindados!

Emiliano Zapata